Por
Atualizado em
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

A Justiça de São Paulo condenou na última terça-feira, 27 de junho, os advogados que atuam em Avaré, Osvaldo Antonio de Oliveira, Marcos Antonio Antunes Barbosa e Simone Lage Guimarães por fazerem parte da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

Os três advogados de Avaré foram condenados a oito anos e nove meses de reclusão cada um, por fazerem parte de organização criminosa. A sentença proferida pelo juiz Gabriel Medeiros faz parte da Operação Ethos deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) realizada em novembro do ano passado em Avaré e diversas cidades do interior de São Paulo.  Na ocasião, 41 pessoas suspeitas de envolvimento com a facção foram presas e ao todo, 49 pessoas foram denunciadas.

Outros advogados – A sentença também condena o ex-vice-presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Luiz Carlos dos Santos, a 16 anos e 5 meses de prisão por integrar organização criminosa e corrupção passiva. O advogado José Ribamar Baima do Lago Junior também foi condenado no processo, recebendo pena de 15 anos e 5 meses de reclusão, por integrar o PCC e por corrupção ativa.

Sintonia dos gravatas – Segundo a denúncia, desde 2014, os advogados pertenciam a uma célula que era denominada “sintonia dos gravatas”, criada para prestar serviços jurídico aos líderes do PCC e posteriormente serviu como elo de comunicação das atividades criminosas da facção.

Os advogados também são os responsáveis por estruturar e custear os serviços médicos prestados aos detentos integrantes da cúpula ou outros indicados. O pagamento desses serviços era feito com dinheiro de origem ilícita da organização, do lucro do narcotráfico e demais crimes. Os condenados poderão recorrer da decisão.

(informações da Rádio Avaré, jornalista Gabriel Guerra)

Espalhe essa notícia

Luis Carlos Luciano

Luis Carlos Luciano é profissional na área de jornalismo. Trabalha como editor, redator e por vezes diagramador. Já prestou serviços para vários jornais da região e foi fundador de alguns veículos que ainda circulam, seja nesta ou em outras regiões do estado. Também é gráfico, farturense de origem, itaporanguense de coração, itaiense devido à profissão e palmeirense por paixão.