Câmara de Itaporanga arquiva denúncia contra vereador Josivan

Por
Atualizado em
Vereador Josivan usando a tribuna (foto arquivo)
Vereador Josivan fazendo uso da tribuna (foto arquivo)

Na noite de segunda-feira mais uma vez as dependências da Câmara Municipal de Itaporanga foram tomadas por grande número de populares que para lá se locomoveram para acompanhar os trabalhos dos senhores vereadores.

Alias, há de aplaudir a população itaporanguense nesse quesito, visto que todas as sessões recebem grande público e, principalmente na sessão da ultima segunda-feira não poderia ser diferente até porque um assunto de suma importância seria colocado em pauta; A denúncia do suplente Belarmino Debastiani Neto, em desfavor do vereador Josivan Pereira Dias que segundo o documento apresentado, teria cometido ato de improbidade ao utilizar em carro particular placa falsa, passando por veículo da municipalidade, no caso, placa oficial do veículo da Secretaria da Saúde, quando de uma de suas viagens a capital paulista.

Segundo a denúncia, o vereador acusado do suposto crime teria sido preso quando dormia no veículo no qual havia efetuado a troca de placas e que segundo consta em depoimento do próprio vereador ao ser flagrado pela policia de São Paulo, teria feito isso para não sofrer o risco de sofrer multas, ainda segundo a denúncia, Josivan teria sido preso na capital paulista.

A denúncia é de teor grave e coube aos senhores vereadores votarem se a aceitariam ou não e que, se aceita, colocaria o vereador sobre investigação. Seriam necessários 2/3 dos votos para a aceitação. Apesar de a maioria terem votado a favor de acatar a denúncia o número exigido não foi atingido, visto que votaram contra a abertura de investigação, os vereadores, Trajano, João Piá, o presidente Marcelo e o próprio ‘acusado’ Josivam, assim sendo a denúncia foi arquivada e o assunto deixa de ser competência da Câmara Municipal que é soberana em suas decisões.

Votaram a favor de aceitar a denúncia, os vereadores: Carlinhos Ambulância, Custódio, Fabio Benini, Gerson Viana e João Melo.

Votaram pelo arquivamento da denúncia os vereadores: Josivan, Trajano, João Piá e o presidente Marcelo.

Na esfera Judicial

A decisão dos vereadores embora seja totalmente de cunho político acabou se contrastando com a decisão da Justiça que já havia condenado o vereador Josivan pelo mesmo crime, a quatro anos de prisão em regime semiaberto, sentença do qual o vereador ora citado recorreu e responde em liberdade até ser julgado em segunda instância, quando deverá ter um parecer final sobre o processo em questão.

De acordo com a promotoria da cidade, Josivan foi condenado porque a Justiça entendeu que houve sim a prática de crime e embora não seja reincidente, entendeu-se que o vereador tem maus precedentes.

A promotoria lembrou ainda que outro processo está em aberto em desfavor do vereador, desta feita um processo eleitoral, no qual o mesmo é acusado de suposta compra de votos durante as últimas eleições. O caso tem prosseguimento e as testemunhas deverão ser ouvidas ainda neste mês de outubro.

Espalhe essa notícia

77 visualizações
Luis Carlos Luciano

Luis Carlos Luciano é profissional na área de jornalismo. Trabalha como editor, redator e por vezes diagramador. Já prestou serviços para vários jornais da região e foi fundador de alguns veículos que ainda circulam, seja nesta ou em outras regiões do estado. Também é gráfico, farturense de origem, itaporanguense de coração, itaiense devido à profissão e palmeirense por paixão.