Por
Atualizado em
Resgate durou mais de 3 horas segundo bombeiros
Resgate durou mais de 3 horas segundo bombeiros

Dois trabalhadores de uma cooperativa foram resgatados com vida após ficarem soterrados por mais de três horas em um silo de grãos de soja, neste sábado (8), no distrito de Holambra II, em Paranapanema (SP). Segundo os bombeiros, equipes de Avaré (SP), Itaí (SP) e Bauru (SP) participaram do resgate das vítimas, que durou três horas.

De acordo com o sargento do Corpo de Bombeiros, Fabiano Crivelli de Ávila, funcionários de um silo, que fica às margens da rodovia Raposo Tavares (SP-270), informaram que dois trabalhadores teriam sido sugados no silo.

Oito bombeiros foram para o atendimento da ocorrência, além de uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No local, eles encontraram as duas vítimas, de 25 e 38 anos, soterradas em um silo com mais de 10 metros de altura.

“Era uma montanha de soja de mais de 10 metros perto deles. Um dos funcionários só estava com a cabeça para fora e por cinco centímetros não morreram porque a montanha podia cair neles. Quando chegamos foi inacreditável encontrar os dois com vida e começamos o nosso trabalho”, afirma.

“Tentávamos puxar, mas por conta do peso dos grãos, não ia. Ancoramos eles com a corda e em pranchas. Foi então que tivemos que fazer um furo no silo para escoar a soja. Então, cortávamos um pouco e descia a soja para aliviar o peso. Após descer mais de 1 metro, conseguimos retirá-los. Mas foi um trabalho que demanda cuidado e a todo momento comunicávamos com eles. Os dois gritavam que não queriam morrer”, conta.

Os trabalhadores foram socorridos e levados para o hospital de Paranapanema com ferimentos leves. A suspeita é de que a esteira que puxa a soja para fora tenha sido ligada e os funcionários foram sugados.

Para o sargento, que trabalha há 12 anos como bombeiro, foi a primeira vez que resgatou alguém com vida de um silo na região de Avaré.

“Foi inacreditável. Eles nasceram de novo, porque por pouco a montanha de grãos não caiu neles. A gente sempre acredita que quando recebemos uma ocorrência vamos salvar vida. Mas, como bombeiro, foi a primeira vez que resgatamos alguém com vida de um silo. Fiquei muito feliz”, afirma.

Por Paola Patriarca, G1 Itapetininga e Região

Foto; Divulgação Corpo de Bombeiros

Espalhe essa notícia

Luis Carlos Luciano

Luis Carlos Luciano é profissional na área de jornalismo. Trabalha como editor, redator e por vezes diagramador. Já prestou serviços para vários jornais da região e foi fundador de alguns veículos que ainda circulam, seja nesta ou em outras regiões do estado. Também é gráfico, farturense de origem, itaporanguense de coração, itaiense devido à profissão e palmeirense por paixão.