Câmara acata denúncia e abre CPI em desfavor do prefeito Douglas Benini

Luis Carlos Luciano
Luis Carlos Luciano Itaporanga
Douglas Benini tomou posse em fevereiro deste ano

Em sessão realizada na noite desta segunda-feira, 20 de maio de 2019, a Câmara Municipal de Itaporanga acatou denuncia de suposta irregularidade administrava por parte do prefeito Douglas Benini em relação a não observância de possíveis irregularidades no andamento do processo licitatório 074/2019 sobre a divulgação de atos oficiais do município em jornal de circulação regional e local, acusação feita pela itaporanguense Fernanda Cristina do Amaral que, em outras palavras, acusa o prefeito Douglas de, mesmo sabendo que estava errado, continuar pagando irregularmente (segundo ela) a um jornal “fantasma” de Itapeva-SP.

Na denúncia Fernanda indica ainda o suposto uso de “laranja” na propriedade da empresa e o fato de que no endereço mencionado de funcionamento do jornal, na verdade existe um comércio agropecuário que não tem nada a ver com o ramo de atividade contratado no referido processo licitatório.

A denúncia foi aceita por 8 votos a 0, só não votou o presidente da Casa, que só votaria em caso de empate. Em seguida, foi formada uma CPI (Comissão Processante de Investigação) para investigar o caso e a mesma terá como presidente o vereador Josivam Pereira Dias, relator Fabio Benini e secretário Gerson Viana

Douglas Benini assumiu de prefeito itaporanguense no dia 24 de fevereiro, e, agora, três meses depois, vai enfrentar o mesmo procedimento que seu antecessor, Vilson Aparecido Rodrigues, o Cacheta, que acabou sendo cassado, abrindo espaço para que Douglas assumisse a cadeira do executivo municipal.

Na época, o então prefeito Cacheta enfrentou não somente os procedimentos das investigações, mas também, visivelmente, a fúria e o desejo incontrolável de alguns vereadores em tirá-lo do poder, agora, de acordo com alguns pronunciamentos relatados em plenário na sessão de segunda-feira, a situação para Douglas Benini não parece ser diferente. Algumas colocações durante o uso da palavra de alguns vereadores, dá a entender que “o caso de amor” entre o prefeito e vereadores (não generalizando), durou pouco tempo e, a separação ríspida, pode trazer graves consequências, para Douglas é claro.