Bolsonaro desobriga publicar editais de concursos e licitações em jornais

Luis Carlos Luciano Variedades
Jornais, principalmente os interioranos que viviam à custa do Poder Público, terão de se adaptar à nova realidade.

Depois de desobrigar empresas de publicarem seus balanços em jornais de grande circulação no país, o presidente Jair Bolsonaro resolveu eliminar também a exigência legal da divulgação de editais de concursos, licitações e leilões públicos em jornais diários. Bolsonaro já havia insinuado no início do mês passado que tomaria a decisão, formalizada na segunda-feira, 9, na Medida Provisória 896/2019, publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A MP altera quatro leis, incluindo a Lei de Licitações e a que regula as parcerias público-privadas, para dispor sobre a forma de publicação dos atos da administração pública. Com a MP, os órgãos federais poderão divulgar avisos, editais, registro cadastral, extratos, minutas e outros documentos relacionados às concorrências públicas apenas na internet e, em alguns casos, no diário de imprensa oficial dos governos.

“A exigência legal de publicação pela administração pública federal de seus atos em jornais impressos considera-se atendida com a publicação dos referidos atos em sítio eletrônico oficial e no Diário Oficial da União”, diz um trecho da MP.

Em agosto, Bolsonaro editou uma outra Medida Provisória, a de número 892, que permitiu que as publicações obrigatórias de empresas de capital aberto previstas na Lei das S.A, como balanços, sejam divulgadas apenas nos sites da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da entidade administradora do mercado em que os valores mobiliários da companhia estiverem admitidas à negociação, como a B3, além do próprio endereço eletrônico.

Antes, a legislação determinava que esses documentos fossem divulgados no órgão oficial da União, Estado ou Distrito Federal como diários oficiais, conforme o lugar em que a companhia estivesse situada, e em outro jornal de grande circulação editado na localidade da sede da empresa. As disposições da medida provisória já estão em vigor, mas só produzirão efeitos no primeiro dia do mês seguinte à data de publicação dos atos da CVM e do Ministério da Economia.

Com a implantação da nova MP, jornais, principalmente do interior que viviam ‘sugando’ o poder público e se enriquecendo com a cobrança absurda de espaços de publicação vão ter de se adequar e buscar outros meios para se manter. Alguns ainda vão tentar se utilizar de um outro método usado pelos ‘mais ambiciosos’ que é o de impor o medo, com publicações muitas das vezes que possam ‘complicar’ o Poder Público, mas isso também não  tem tanto ‘valor’ quanto antigamente, quando só o jornal impresso chegava as mãos do leitor, hoje, a internet é muito rápida e as notícias chegam numa velocidade que deixam os jornais impressos meio que obsoletos, com chance de não sobrevivência, a não ser que sejam realmente imparciais e confiáveis.

O jornal impresso não corre risco de acabar, mas tem de se adequar à nova realidade e os pretenciosos, tem de se acostumar a ‘trabalhar de verdade’ para conquistar seu leitor.

 

Mais notícias